sexta-feira, 21 de maio de 2010

#22

Era na praia o lugar em que todo dia, Mariana
arrumava suas desculpas para sorrir e chorar,
tinha alguns amigos, mas gostava de ficar
sozinha e conversar seu interior. Uma das perguntas
que ela mais se fazia era, "Como você pode deixar
ele escapar?” Era a pergunta que nunca havia resposta,
pois seu marido, amante do mar preferiu as águas salgadas
do que pensar como seria amargo para Mariana viver sem ele.
Mariana nunca havia notado a presença de Helena naquela
praia que parecia ser só dela, das três da tarde até
às seis da noite, quando começava a escurecer.
- Oi? Vejo-te sempre por aqui. Porque olhas tanto o mar? - Perguntou Helena.
- O mar levou uma pessoa que eu amo muito. - Disse Mariana.
- Comigo foi o mesmo, e sempre quando posso venho aqui lembrar
do tempo em que fomos felizes.
- E quem que morreu? Filho, marido... - Perguntou Mariana.
- Não, ninguém morreu. Foi um rapaz que eu conheci a dois anos, que preferiu o mar ah se casar comigo. Marujo o apelido dele. - Disse Helena sorrindo.
- Marujo? Dois anos? Como assim...
A partir daquele dia, Mariana e Helena viraram amigas e não vão mais
a praia. Agora tomam chá das cinco até as seis da noite, desejando
que no horizonte onde o mar parece terminar tenha um abismo, e que
Marujo tenha ido pra lá.

14 comentários:

Luciano disse...

Legal a história? Poema? Conto? Não entendo a classificação, mas gostei. Abs.

Express disse...

muito interessante! fiquei viajando..

Deane disse...

Oi Renan, belíssimo conto.
Adoro esse mistério no ar, essa impressão de que a história vai continuar mas que nos fundo sabemos que essa é exatamente a intenção do autor.
Gostei de verdade.
Vou guardar nos meus favoritos pra depois ler os textos anteriores com mais calma.

Abraço!

Marcos André disse...

Bacana... O interessante é como o destino através de algo tão triste (o amor de Mariana q se foi) fez com que nascesse uma grande amizade...

Ah, já ia esquecendo...

Coitado do Marujo , acho q ele não vai gostar do abismo... :D

http://descentralizando.blogspot.com

Mari disse...

engracado e bem descrito.

ah, adorei o nome dela =P

beijinhos

Me dê a palavra disse...

*-*
foi você que fez? muito bom mesmo!

clicaê:http://medeapalavra.blogspot.com/
que eu te dou a resposta ;)

Jéssica Martins disse...

tadinho do marujo.. rsrs ..
belo conto!!Gostei muito..
abç e sucessos..

visita o meu:http://republicaah.blogspot.com/
^^

Leonardo Ribeiro disse...

Essa história me surpreendeu totalmente.
Parabéns

indivídua disse...

ai, a inconstância dos homens! adorei o conto... e tomara que o abismo não tenha fundo

http://celuliteseoutrasestranhezasdemulher.blogspot.com/

Pedro disse...

Gostei muito do conto.

=)

Pobre esponja disse...

O Horizonte onde o mar termina tenha um abismo: huahuahua. Tô rindo do sarcasmo, o texto é muito bom.

bj
Pobre Esponja

I.Simiquelli disse...

entro em certa "sintonia" a tudo que você escreve.

Rogerio disse...

texto bom de ser lido...muito bom...gostei da storia...

Sr.F disse...

Muito interessante, texto muito bom e o layout agradável, parabéns.

Postar um comentário