terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

#4


Quero teus sorrisos, de fotografias de cartões postais, enquanto escuto aquelas canções antigas, que você costumava cantar baixinho, num inglês bonito, de tão doce, mas que eu nunca consegui entender muito bem. As canções têm razão, meu bem. Quase sempre. E quase sempre, também, o que eu quero, está tão próximo, e ao mesmo tempo tão distante, que aos poucos vou desistindo de tentar entender e/ou classificar.

Digo tantas coisas, escrevo frases soltas sobre nós dois, por todo canto, numa tentativa infantil de manter viva cada boa lembrança. Mas não sei se você gosta, se entende, se ainda faz algum sentido pra você, aí tão longe.. Não sei se o que digo aqui consegue te alcançar.

Mas acho que esse é o meu jeito de mostrar ao mundo como foram bonitos aqueles dias, das chuvas de maio, de abraços apertados para escapar do frio. Do mundo.

1 comentários:

luan disse...

realmente és um poeta meu rapaz! xD

Postar um comentário